processo-seletivo3-educação
A Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) está com inscrições abertas para o Cursinho Popular Paulo Freire (CPPF), projeto vinculado à Pró-Reitoria de Extensão (Proex). Há 140 vagas para estudantes do último ano do ensino médio e egressos da rede pública de ensino. As inscrições podem ser feitas até este sábado (16) pelo site do projeto.
Do total de vagas disponíveis para 2019, 80 são destinadas a estudantes do 3º ano do ensino médio e egressos da rede pública, que serão selecionados através de uma prova aplicada pela Comissão Pedagógica do CPPF. As outras 60 vagas são destinadas a estudantes da Escola de Referência em Ensino Médio Clementino Coelho, que é parceira do projeto e fará a seleção desses participantes.
A prova de seleção dos estudantes terá como conteúdo os assuntos previstos para o ensino médio e será aplicada no dia 23 de fevereiro às 14h, com duração máxima de 3h. O resultado será divulgado no site do CPPF, a partir do dia 27 de fevereiro. A matrícula dos candidatos selecionados será realizada presencialmente no dia 9 de março. Os documentos necessários para a matrícula constam no Edital N˚ 1/2019.
As atividades letivas do projeto terão início no dia 9 de março e têm previsão de encerramento uma semana antes do primeiro dia de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As aulas serão realizadas de segunda a sexta-feira, das 18h às 21h, e aos sábados, das 8h às 11h40, no Campus Sede da Univasf, em Petrolina, em sala a ser divulgada posteriormente.
Cursinho
O Cursinho Popular Paulo Freire tem como objetivo promover a inclusão de estudantes secundaristas e egressos na universidade pública. As aulas contam com a participação de estudantes da Univasf, que participam como voluntários. A coordenadora do projeto, Geida Maria Cavalcanti de Sousa, ressalta que a iniciativa é importante para os estudantes praticarem os conteúdos do Enem e, ao mesmo tempo, vivenciarem a troca de experiências entre alunos e professores do projeto, incentivando-os a continuar os estudos.
Carlos Britto