Este dinheiro foi apreendido na região metropolitana de Curitiba (PR) e, segundo...
imagem MSN
© Fornecido por Agence France-Presse

Vídeo compartilhado mais de 86 mil vezes nas redes sociais mostra uma apreensão de drogas e dinheiro feita pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em um caminhão com a afirmação de que o destino do veículo era a Venezuela e que ele teria saído do Instituto Lula, localizado em São Paulo. Contudo, a ação foi feita em Campina Grande do Sul, na região metropolitana de Curitiba, no Paraná, a mais de 6.300 km de distância da capital venezuelana, e não há qualquer indício que relacione o caso à organização do ex-presidente Lula.

“CAMINHÃO INTERCEPTADO SAÍA DO INSTITUTO LULA RUMO À VENEZUELA CHEIO DE DINHEIRO” e “Caminhão que estava indo para Venezuela. Em um ‘golpe de sorte’ foi interceptado pela PRF, numa blitz. [...] Foram encontrados centenas de milhares de dólares onde o motorista confessou que foi contratado para levar o caminhão até Caracas na sede do governo pelo escritório do instituto Lula em São Paulo. Nosso dinheiro sendo desovado pois o cerco está fechando”, dizem as legendas de trêspublicações (1), viralizadas desde 30 de setembro de 2019 no Facebook.
No Twitter o conteúdo também se espalhou e aparece sendo compartilhado desde 28 de setembro deste ano (123), assim como no YouTube.
Por meio da busca reversa*, a equipe de verificação da AFP no Brasil encontrou o vídeo em uma matéria publicada no site da Polícia Rodoviária Federal em 5 de setembro de 2019 a respeito da apreensão de 300 mil dólares e 326 quilos de cocaína em Campina Grande do Sul, no Paraná.
De acordo com as informações contidas no texto, a caminhonete realmente havia saído de São Paulo, mas tinha como destino a cidade de Paranaguá, no Paraná, a mais de 6.400 km de distância da capital venezuelana.
© Fornecido por Agence France-Presse
Mapa feito no Google MyMaps em 16 de outubro de 2019 mostra a rota supostamente feita pelo caminhão de São Paulo até Campina Grande do Sul, de onde iria para Paranaguá
O AFP Checamos entrou em contato com a assessoria da PRF por e-mail, que respondeu: “A Polícia Rodoviária Federal desconhece qualquer tipo de ligação entre essa ocorrência registrada em Campina Grande do Sul (PR) e instituições políticas ou países vizinhos. Não foi estabelecido nenhum vínculo dessa natureza durante a abordagem e apreensão da carga ilícita de dólares e cocaína”.
A assessoria de imprensa da Polícia Federal também respondeu ao pedido de esclarecimento da AFP, complementado: “Qualquer informação que circule na rede além disso e do que consta na nota divulgada pela PRF é mera especulação. A PF não se responsabiliza por boatos que surgem na internet com o nome do órgão”.

fonte: msn.com