00:00/01:49
Operação combate corrupção no Detran no interior da Bahia



Operação 'Capitiosus' é realizada pela Polícia Civil nesta quinta-feira (21). Dois mandados de medidas cautelares contra policiais, além de 20 mandados de busca e apreensão, também foram cumpridos no norte do estado.


Doze pessoas, incluindo um vereador e a esposa dele, foram presas nesta quinta-feira (21) suspeitas de liderar um esquema de venda de carteiras de habilitação no norte da Bahia.
As prisões decorreram da operação "Capitiosus", deflagrada pela Polícia Civil, que também cumpriu dois mandados de medidas cautelares contra um delegado e um investigador da corporação e 20 mandados de busca e apreensão na região.
Dos suspeitos presos, onze tinham mandados de prisão preventiva em aberto e um deles foi flagranteado por armazenamento ilegal de combustível e posse de drogas.
Os presos são:
  • Arlivan Carvalho Gonçalves - vereador de Campo Formoso e dono de autoescola
  • Rute Maia Batista - mulher de Arlivan e também dona de autoescola
  • Manoel Regivaldo Vitor Damasceno - servidor Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran)
  • Maria Angélica Rodrigues - dona de centros de Formação de Condutores (CFCs)
  • Emerson Pinheiro Sena Gomes - instrutor de direção
  • João Bosco Soares Guimarães - servidor Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran)
  • Carlos Alberto Menezes Andrade - servidor Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran)
  • Reinivan Silva Alves - instrutor de direção
  • Antônia Maria de Carvalho Conceição - dona de centros de Formação de Condutores (CFCs)
  • Marley Pollyanna Carvalho Feliz - dona de centros de Formação de Condutores (CFCs)
  • José Sergio Aleixo da Silva - instrutor de direção
  • Atailton Alves da Silva - flagranteado

De acordo com o delegado Felipe Neri, o vereador Arlivan Carvalho Gonçalves também já foi diretor do Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) de Senhor do Bonfim.
"Ele [o vereador] vendia habilitação sem fazer exame, sem fazer nada. Ele e a esposa são os líderes desse esquema. Os policiais ainda estão nas ruas cumprindo mandados", disse o delegado.
Ainda segundo a Polícia Civil, com o cumprimento dos mandados, o delegado e o investigador foram afastados das funções e estão proibidos de frequentar delegacias e manter contato entre si, com o objetivo de evitar interferência na investigação.
A investigação teve o apoio da Superintendência de Inteligência (SI) da Secretaria da Segurança Pública (SSP), das coordenações de Operações Especiais (COE) e de Apoio Técnico a Investigação (CATI/Depin), além de policiais das Coorpin de Feira (1ª), Jacobina (16ª), Juazeiro (17ª) e Euclides da Cunha (25ª).