agencia-do-banco-do-brasil-fica-destruida-depois-de-tentativa-de-assalto-em-parai-rs-1583509315422_v2_450x450Agência do Banco do Brasil fica destruída depois de tentativa de assalto em Paraí (RS)
Imagem: Fábio Luz/Rádio Club FM Paraí
Sete homens foram mortos na madrugada de hoje em um confronto com a Brigada Militar em Paraí, a 216 quilômetros de Porto Alegre. Segundo a BM, o grupo tentou assaltar o Banco de Brasil e a Sicredi com uso de explosivos, mas a ação acabou sendo frustrada. A identificação dos mortos ainda não foi repassada pela polícia.
Os policiais militares tinham informações desde a noite de ontem que haveria um assalto na cidade. A partir disso, começaram a se mobilizar para cercar a região e evitar os crimes. Segundo a Brigada Militar, a quadrilha chegou à cidade em dois veículos – um deles roubado em fevereiro e que estava com placas clonadas. Ainda segundo a corporação, os criminosos estavam.
Os dois bancos ficam a menos de uma quadra de distância, a 110 metros um do outro. Após o confronto, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi chamado para chamado para desarmar explosivos encontrados com os suspeitos.
“Foram encontrados explosivos nos mortos que estavam junto ao Sicredi. O pessoal ainda está fazendo a averiguação dos mortos que estão dentro do Banco do Brasil. Todo o material encontrado muito provavelmente vai ter que ser destruído porque não tem como transportá-los porque é um material improvisado que a gente não sabe como desarmá-lo. Então nesse caso a gente faz uma destruição controlado”, afirmou o comandante do Bope, tenente-coronel Douglas da Rosa Soares.
Segundo o oficial, os explosivos não chegaram a ser colocados nos caixas eletrônicos pelos criminosos. “A gente encontrou alguns explosivos em mochilas que estavam junto aos corpos.”.
“Acordei com um estrondo”, diz prefeito
Mesmo morando a quatro quilômetros de distância dos bancos, o prefeito de Paraí, Gilberto Zanotto (PDT), foi acordado com o barulho do tiroteio. “Acordei com um estrondo. Parecia uma bateria de fogos. Liguei para o sargento da BM que me informou que a coisa estava feia e que delinquentes estavam tentando atacar duas agências. Por sorte eles já estavam sendo monitorados e a Brigada Militar conseguiu evitar”, conta o chefe do Executivo municipal.
Segundo o prefeito, foram mais de 150 disparos. As ruas próximas ao banco estão bloqueadas, o que dificulta a circulação na cidade. “Para nós é tudo muito novo. Aqui é uma cidade pequena, pacata. A última tentativa de assalto aconteceu em 2013, há sete anos”, observa Zanotto.
Um sistema integrado de câmeras de segurança flagrou a ação e, segundo o prefeito, vai auxiliar nas investigações da polícia. A Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) está responsável pelo caso.

UOL