"Troca no ministério deve se concretizar hoje ou amanhã", afirma Mandetta, em tom de despedida
Crédito da Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse na manhã desta quinta-feira (16/4), que a pasta deve ter mudanças nas proximas 24h. "Devemos ter uma situação de troca no ministério que deve se concretizar hoje ou amanhã", disse Mandetta durante um debate online com especialistas sobre a Covid-19, promovido pela Iniciativa FIS (Fórum Inovação Saúde). A semana começou tensa entre o ministro e o presidente Jair Bolsonaro, já que a relação entre os dois está estremecida.  
"Eu sou a peça menor dessa engrenagem. Eu escolhi muito bem a minha equipe" completou, ao explicar, em tom de despedida, que o trabalho de combate continuará independente de quem assuma o seu cargo. O debate reuniu lideranças da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Fiocruz, UFF, UFRJ, Academia Nacional de Medicina, entre outros.
Em diversos momentos, Mandetta fez referências às divergências com o governo Bolsonaro. "O mundo terá que ter grandes cabeças que vão ter que encontrar um equilíbrio. Fazer um novo mapeamento das dependências que nós criamos dos sistemas de saúde. Quem olha o vírus sozinho vai errar, porque ele ataca a educação, a economia, a Olimpíada, porque ele se impõe. (...) Mas nós não sabemos ainda todos os efeitos. Não sabemos nem quem será o ministro da Saúde amanhã", disse. As Informações são do site UOL.

Ele ainda criticou as fakes news sobre tratamentos para o novo coronavírus e o uso político da comunicação. "Quanto mais baixa a formação, mais terreno fértil para a má comunicação, mas isso é diferente da má comunicação política, onde aquele que não concorda com a opinião é massacrado", disse o ministro.
Mandetta citou o descontentamento com o fato de discussões técnicas estarem ocorrendo com integrantes do governo que não entendem do assunto. "Estava numa reunião com ministros falando sobre remédios para o coronavírus e todos leigos tentando convencer outros leigos", disse.
Para ele, apesar da crise, a pandemia pode abrir uma oportunidade positiva para o SUS (Sistema Único de Saúde). "O SUS ganha importância política no Senado e na Câmara para ter orçamentos mais próximos de um país que tem muitas doenças negligenciadas, como tuberculose, convivendo com a necessidade de leitos de alta complexidade. Teremos uma voz mais forte sobre isso".

Fonte : aratuon