Com apenas um triunfo fora, Esquadrão visita o Goiás na próxima sexta-feira (16) 

A cada rodada que passa, o Bahia consolida mais a ideia de que a luta em 2020 será para escapar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. O triunfo sobre o Vasco, por 3×0, em Pituaçu, deu um respiro leve ao time na tabela, mas o tropeço diante do Fluminense, por 1×0, na rodada passada, recolocou o Esquadrão na boca do Z4 mais uma vez. É o 16º.

csm_bahia_pi_53ec2d064bTricolor tem apenas 23% de aproveitamento fora de casa e vê Z4 cada vez mais perto (Felipe Oliveira/EC Bahia)

Com 15 pontos conquistados, o Bahia só não voltou a frequentar a zona de rebaixamento porque o Corinthians perdeu para o Ceará no domingo, por 2×1, e assumiu a 17ª colocação. Mesmo assim, o alvinegro paulista soma o mesmo número de pontos do Esquadrão e só é superado no número de vitórias: 4 a 3.

Com urgência por uma recuperação para não voltar a frequentar a zona, o Bahia vai ter que melhorar o desempenho fora de casa. Depois do Fluminense, o tricolor voltará a atuar longe de Salvador. Sexta-feira, visita o Goiás, às 20h, no estádio da Serrinha, em Goiânia. E os números não são animadores.

O Bahia é até aqui o sexto pior visitante do Brasileirão. Ao todo, disputou sete partidas fora da capital baiana e somou só um triunfo, quando venceu o Botafogo por 2×1, no Engenhão, em jogo atrasado da 1ª rodada.

Fora o duelo com o alvinegro, os melhores resultados foram os empates com São Paulo e Internacional, por 1×1 e 2×2, respectivamente. Os outros quatro confrontos terminaram com derrotas para Ceará, Corinthians, Athletico-PR e Fluminense. O que dá ao Esquadrão aproveitamento de apenas 23,8%.

Restando mais dois jogos fora de casa antes de encerrar o primeiro turno, o saldo do Bahia vai ser negativo mesmo se vencer Goiás e Santos (último adversário antes do fim da primeira metade do Brasileirão), já que chegaria ao número máximo de três vitórias contra quatro derrotas. Os pontos, no entanto, serão fundamentais na luta contra o rebaixamento.

“Vencer no futebol brasileiro, num campeonato duro como este, é difícil sempre. Pelo menos já voltamos a vencer, ainda estamos oscilando um pouco em termos de rendimento”, avaliou o técnico Mano Menezes.

Depois, ele acrescentou. “Em função disso, não conseguimos sequenciar, que é o que a gente quer, engrenar uma sucessão de resultados positivos. Mas sabemos que as dificuldades sempre serão imensas. A mesma qualidade que temos, a mesma intenção que temos, os adversários também têm”, completou o comandante.

Se a primeira chance para o Bahia melhorar essa marca será diante do Goiás, o time esmeraldino se apresenta como o adversário perfeito. É o pior mandante entre os 20 clubes da Série A.

Em sete jogos disputados em casa até agora, o representante do Centro-Oeste venceu dois, empatou um e perdeu quatro. O último por 4×2 para o Fluminense, ocasião em que igualou o próprio Bahia como time que mais perdeu em casa.

Além do retrospecto, o Esquadrão pode ter uma outra vantagem no confronto com o Goiás. O alviverde entra em campo hoje, quando visita o Flamengo em jogo atrasado da 11ª rodada. Com isso, o adversário chegará para o duelo de sexta mais cansado, já que o Bahia terá toda a semana livre para recuperar os atletas e treinar.

Mais tempo fora
Mano Menezes ainda contará com o meia Rodriguinho contra o Goiás. O exame de imagem constatou que o camisa 10 teve uma fissura no pé. Como ele ainda sente dor quando calça chuteira, tem feito apenas treinos leves e vai precisar de mais tempo para se recuperar.

Outro que pode desfalcar o Bahia no decorrer do Brasileirão é o próprio Mano Menezes. Os xingamentos do treinador ao árbitro José Mendonça da Silva Júnior ao final do jogo contra o Fluminense foram relatados em súmula e Mano deve ser denunciado ao STJD. Caso punido, ele pode ficar impedido de comandar o Esquadrão na beira do campo.


RTEmagicC_c6cebb5f20-4.gif-4