O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) foi alvo de tentativa de ataque hacker neste domingo (15.nov.2020). A informação foi confirmada pelo presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso. Segundo o magistrado, a tentativa de invasão ocorreu no início da tarde, mas o ataque foi neutralizado.

Fachada do Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília© Sérgio Lima/Poder360 Fachada do Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília

“Sobre a questão do ataque, para falar a verdade, tive conhecimento recente porque aconteceu agora há pouco. Soube que foi neutralizado, que foi esta tentativa de simultaneamente ter uma grande quantidade de pessoas entrando para derrubar o sistema. Isso foi neutralizado pelo TSE com o auxílio das empresas de telefonia”, disse a jornalistas na sede do Tribunal.

O ministro informou que o TSE tem atuado de forma preventiva a ataques, com 1 sistema de defesa e realizando backups dos dados do sistema eleitoral. Segundo o ministro, durante o processo em busca de garantir mais segurança ao sistema, 1 dos servidores teve de ser desligado –o que ocasionou instabilidade no e-Título.

“Tiramos 1 servidor da rede e fizemos o back-up de tudo que era importante como garantia de que se, por acaso, o sistema de defesa não funcionasse e houve a invasão, nós teríamos 1 servidor com todas as informações relevantes fora do sistema. Com esse servidor desligado, o servidor remanescente sofreu uma sobrecarga e apresentou uma instabilidade de 2, 3 dias atrás. E esse desligamento do 1º servidor, em medida significativa, afetou o desempenho ótimo do e-Título.”

Sobre a tentativa de ataque deste domingo (15.nov), Barroso disse que a origem foi de fora do Brasil: “Partiu muito provavelmente, quase certo, de outro país. Às vezes você recebe ataque de outro país e alguém daqui reivindica para levar o crédito”.

Apesar de o ministro dizer que houve apenas uma tentativa, 1 grupo que se intitula como CyberTeam expôs na internet uma série de informações internas do TSE. Não há indícios, contudo, de que qualquer atividade eleitoral tenha sido comprometida.

© Fornecido por Poder360

Os dados foram divulgados no Twitter. No entanto, já foram excluídos do perfil na rede social.

Segundo o grupo CyberTeam, a exposição das informações não tem necessariamente uma mensagem política e é apenas uma forma de fragilizar o Tribunal, que diz não ter sofrido ataque, e afirmar que os investimentos em cibersegurança do Estado brasileiro não estão surtindo os efeitos esperados.

O grupo disse ainda que não tem nada a ver com outros ataques de maior gravidade que afetaram recentemente o Poder Judiciário. Na semana passada, o sistema do STJ (Superior Tribunal de Justiça) ficou fora do ar devido a uma invasão.

© Fornecido por Poder360

Apesar de terem excluído as informações do Twitter, as publicações do grupo ainda permanecem no Facebook.

© Fornecido por Poder360© Fornecido por Poder360

Eis a mensagem publicada pelo CyberTeam sobre a invasão ao sistema do TSE:

© Fornecido por Poder360

Mais cedo, em Valparaíso (GO), Barroso havia reconhecido a possibilidade de ataques e disse que não estava “tranquilo“. Até então não havia a informação da tentativa de invasão ao sistema do TSE.

Ninguém está imune. Nós fizemos o melhor possível. Se você me perguntar se eu estou tranquilo, não. Tranquilo não. Mas acho que nem o Pentágono e nem a Nasa estão tranquilos em relação ao risco de 1 ataque cibernético. Mas tudo que era razoavelmente possível, nós fizemos“, afirmou.


Fonte: Msn